Metáfora é uma figura de linguagem onde se usa uma palavra ou uma expressão em um sentido que não é muito comum, revelando uma relação de semelhança entre dois termos.

A Metáfora é uma das mais poderosas formas de comunicação, pelo seu poder de quebrar resistências, com histórias que levam as mensagens que você quer comunicar.

Metáfora é um termo que no latim, “meta” significa “algo” e “phora” significa “sem sentido”.


O que é metáfora? A palavra “metáfora” tem a conotação de transportar o sentido literal de uma palavra ou frase, dando-lhe um sentido figurado.

Dessa forma, toda semana terá uma nova metáfora.


SINTA ORGULHO DE SEU TRABALHO

O trabalho que cada pessoa executa é uma das fontes de motivação da empresa. Por isso, por mais simples que seja uma tarefa, devemos nos orgulhar dela. Quando Abraham Lincoln foi eleito presidente dos Estados Unidos, a classe alta americana se chocou. Como poderia um proletário assumir a liderança do país? Um senador fez um comentário irônico:

– Vamos ver se o filho de um sapateiro tem condições de dirigir nosso país…

Ao que Lincoln respondeu:

– Que bom o senhor ter se lembrado de meu pai. Eu gostaria de ser um presidente tão bom quanto meu pai foi um bom sapateiro. Aliás, estou vendo que o senhor está usando um par de sapatos fabricado por ele. Aprendi a consertar sapatos com meu pai. Se algum dia os seus apresentarem algum problema, me procure que eu os consertarei.

Não importa o que esteja fazendo, sempre tenha orgulho disso e crie algo especial, porque é nos detalhes que você deixa a sua marca. E a qualidade só é percebida quando nos diferenciamos pelos pequenos detalhes. O reconhecimento de um trabalho bem feito aumenta a motivação. E é disto que as empresas mais precisam: de pessoas motivadas.

Autor Desconhecido

 


 

O VENENO

A filha chegou para o pai e disse:

– Pai, não aguento mais a minha vizinha! Quero matá-la, mas tenho medo que descubram. O senhor pode me ajudar?

O pai respondeu:

– Posso sim, meu amor, mas tem um porém: Você vai ter que fazer as pazes com ela para que ninguém desconfie que foi você que a matou, quando ela morrer. Vai ter que cuidar muito bem dela, ser gentil, agradecida, paciente, carinhosa, menos egoísta, retribuir sempre, escutar mais…

– Certo… – disse a menina.

– Tá vendo este ‘pozinho’ aqui? Durante um mês, todos os dias, você vai colocar um pouco deste pó na comida dela. Assim, ela vai morrer aos poucos.

Passados os 30 dias, a filha voltou e disse ao pai:

– Eu não quero mais que ela morra! Eu passei a amá-la. E agora? Como faço para cortar o efeito do veneno?

O pai, então, respondeu:

– Não se preocupe! O que eu te dei foi farinha de trigo. Ela não vai morrer, pois o veneno, na verdade, estava em você!

Autor Desconhecido

 


 

PENSAR DIFERENTE

Quando nos defrontamos com um problema, temos dois caminhos a seguir: resolver a questão ou desistir. A história do corvo que estava morrendo de sede é um bom exemplo disso.

Um corvo estava morrendo de sede quando avistou um jarro de água. Aliviado e muito alegre, voou rapidamente para o jarro. Mas o nível da água estava tão baixo que, por mais que o corvo se curvasse, não havia meio de alcançá-la. O corvo tentou, então, virar o jarro, na esperança de pelo menos beber um pouco da água derramada. Mas o jarro era pesado demais para ele.

Por fim, correndo os olhos à volta, viu pedrinhas ali por perto. Resolveu, então, pegar uma a uma com o bico e ir atirando-as dentro do jarro. Lentamente a água foi subindo até a borda, até que, finalmente, o corvo pode matar a sede.

Autor Desconhecido

 


 

ACERTAR, SORTE ou TALENTO?

 

Conta a história que um rei mandou fazer um anel com uma pedra preciosa. Depois ordenou aos soldados que colocassem o anel no alto de um enorme poste de madeira, e convocou a população:

— Quem conseguir atirar uma flecha que passe pelo centro do anel o receberá de presente com mais cem moedas de ouro.

Quatrocentas pessoas ofereceram-se para atirar suas flechas. Todas o fizeram. E todas erraram. Perto dali, um jovem brincava com seu arco, quando uma das flechas atiradas por ele foi desviada pelo vento, aproximou-se do poste e atravessou o centro do anel. O rei premiou o rapaz com a joia e as moedas de ouro. Assim que saiu do palácio, a primeira coisa que o jovem fez foi queimar seu arco e suas flechas.

— Por que está fazendo isso? — perguntou um passante.

— Um homem deve entender que às vezes a sorte bate à sua porta, mas jamais deixar que ela o engane e termine convencendo-o de que ele tem talento.

Não espere pela sorte, desenvolva seus talentos!

Autor Desconhecido